Pular para o conteúdo principal

revirando a pasta rosa

Janelas do Subúrbio. Foto: Bartira Sena
reabro a pasta rosa e saco, não aleatoriamente, mas de forma deliberada um dos seus escritos: poderia ser a carta-cobra (uma tripa de papel com vários metros de comprimento com texto escrito em duas linhas) ou uma em papel de jornal (entenda-se que não se trata exatamente de papel-jornal mas aquelas folhas nas quais os
jornalistas escreviam suas matérias/entrevistas) marcada com uma boca vermelha, ou ainda um poema-cartão com ilustração de Nelson Magalhães Filho.

escolhi o poema-cartão de Cyro Mascarenhas Rodrigues e ilustração Héber Mendes. Outro dia publico um poema de Cyro. no verso, um manuscrito sem data:

"Releio uma carta na falta de novas. Acho que de fins de julho pois fala das realizações galeneanas e das imorredouras saudades cruzalmenses. Ouvia Vila-Lobos e você não imagina que atmosfera +* circulava na sala. No Salão Nobre, M e M dão posse ao passos. Aqui sigo os teus e me transporto para o aquário dos loucos dos políticos, dos cidadãos (ditos) responsáveis e viajo no ônibus da irresponsabilidade nos becos e ruas, sento nas calçadas molhadas pelas chuvas de julho e converso sobre a divisão de tarefas com um bando de cães vadios, todos brancos enormes que mandam e pedem notícias de um pintor chamado Percula a quem eles assustaram certa vez quando cercavam uma cadela no cio. Hoje é sexta feira. Vou tomar uma cachacinha (mesmo que seja de Santo Amaro) com D. Lourdes da barraca – (lembra dela?) la no Parque da Sumauma** onde ela agora vende sonhos a gatos vagabundos como eu. Vou procurar Tingo Seco e filmar no beco um filme de amor com musica de Todeschini. A caneta secou o papel acabou. Até a próxima fartura. * Este túmulo foi para enterrar a porra duma vírgula que eu coloquei onde não devia ** Já ouviu falar?"

o grandecíssimo nem assinou
gato vagabundo à procura de sonhos

Comentários

Muito bom, muito massa tá ficando o blog. Ah, aproveite e dê uma divulgada neste canal de vídeos:
http://br.youtube.com/user/ciadoanj
obaldio
maira disse…
Olha, a cara desse gato! Quem ve pensa que ele pensa!!!!
On The Rocks disse…
Parabéns pelo blog, só agora fiquei sabendo.

Espero novidades da pasta rosa.

Bj

P.S.: Se o blog linkado for o meu, está errado o endereço.

www.buenasrocks.blogspot.com
graça sena disse…
Valeu, buenas, já corrigi.
Rocque disse…
Vi teu gato e me deu saudades do Baal, que pena né os cães deveriam ser eternos...adoro ler teus textos virei mais vzs aki pq um livreto que vc me deu com uns textos teus eu perdí. (glub!) bjs ao sabor de addicted da Amy...

Postagens mais visitadas deste blog

Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos.

Ao ouvir esses versos, lidos por um personagem de um filme já começado, apurei o olhar e ouvidos para a tv. O personagem segurava um livro cuja capa estampava o nome Yeats em letras bem grandes.
Pensei com meus botões: esse filme deve ser bom!
Não era tão bom assim, apesar das referências a vários clássicos da literatura. Perdeu-se nos clichês e nas cenas de ação exageradas. Mas valeu a pena por me levar a reler o poeta!


OS TECIDOS DO CÉU Se eu tivesse os tecidos bordados dos céus,
ornados de ouro e prata em luz,
panos azuis foscos breus
da noite, luz, e da meia-luz,
estenderia os tecidos sob teus pés.
Mas, pobre, tenho apenas sonhos;
são eles que estendo sob teus pés.
Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos. (William Butler Yeats) (trad. inédita de Bruno D’Abruzzo) AEDH WISHES FOR THE CLOTHS OF HEAVEN Had I the heavens’ embroidered cloths,
Enwrought with golden and silver light,
The blue and the dim and the dark cloths
Of night and light and the half light,
I would spread the cloths under …