Pular para o conteúdo principal

O mundo e os gatos

Nem sei desde quando, se é uma coisa de gen, os humanos dominarem e se comprazerem da dor alheia.
Já observaram que muitas pessoas não gostam de gatos? E já prestaram atenção nas pessoas que gostam de gatos?
William Burroughs escreveu um livro sobre os felinos em sua vida - The Cat Inside. O livro é de 1986 e a primeira edição teve uma tiragem de 133 cópias.
Existe uma tradução para o português.
William morreu num mês de agosto aos 83 anos.




Velhos e gatos parecem ter algo em comum, uma certa letargia... ambos parecem ronronar quando acarinhados. Como esse poema de um velhinho de nome Rogério. Bem, ele ainda não é tão velho, mas parece. Tem uma alma anciã, como a poesia. Anciã dos tempos, como defin
ia Uilcon Pereira - um outro amigo que não teve paciência de envelhecer.

Fazia frio à tarde;

um olhinho do sol piscava entre as nuvens de chumbo;
vó acalentava Didi seu gato vira-lata sujo,

e seus dedos entre a penugem
pareciam uma barbatana

era tarde de outono com cara
de tarde vazia;
não tinha som de carro, nem buzina;
mas tinha latido e tinha voz de vizinho;

vó preferia acalentar bicho do que sonho.

Soprava um risquinho de vento, mas não voava
chapéu;
descabelava a mangueira só de prirraça;

vó diz que vento é feito menino arteiro;
corre o dia todo fazendo troça,
mas à noite
dorme.


Poema QUINTAL, de Rogério Lima (Publicado na revista Reflexos de Universos, em março de 2008)

Foto de William Burrougs por John Minihan. In:
www.johnminihan.com/other_images.html

Comentários

On The Rocks disse…
vi o livro em edição pocket, mas não comprei. vacilo. bill é dos meus.

valeu pela dica e o poema do cara é massa.

tô na cidade das sombras. irei amanhã na casa da cultura.

bj
Gata Lili disse…
que belo poema! miaaauuu...

Postagens mais visitadas deste blog

Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos.

Ao ouvir esses versos, lidos por um personagem de um filme já começado, apurei o olhar e ouvidos para a tv. O personagem segurava um livro cuja capa estampava o nome Yeats em letras bem grandes.
Pensei com meus botões: esse filme deve ser bom!
Não era tão bom assim, apesar das referências a vários clássicos da literatura. Perdeu-se nos clichês e nas cenas de ação exageradas. Mas valeu a pena por me levar a reler o poeta!


OS TECIDOS DO CÉU Se eu tivesse os tecidos bordados dos céus,
ornados de ouro e prata em luz,
panos azuis foscos breus
da noite, luz, e da meia-luz,
estenderia os tecidos sob teus pés.
Mas, pobre, tenho apenas sonhos;
são eles que estendo sob teus pés.
Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos. (William Butler Yeats) (trad. inédita de Bruno D’Abruzzo) AEDH WISHES FOR THE CLOTHS OF HEAVEN Had I the heavens’ embroidered cloths,
Enwrought with golden and silver light,
The blue and the dim and the dark cloths
Of night and light and the half light,
I would spread the cloths under …