domingo, 9 de maio de 2010

pra não dizer adeus

você não sabe dançar
mas nessa noite nós dançamos
numa saudade antecipada
tentávamos capturar a essência fugidia
que não estava mais ali
eu partira antes de mim
e você nem notou
seu desespero tardio, tresloucada agonia
já não adiantavam, eu não estava mais ali
o corpo entre seus braços não era eu
nem o olhar penetrando o fundo dos seus olhos
era meu
enquanto dançávamos
eu já não estava ali

... para não dizer adeus a um querido amigo que se foi, sem se despedir, mas deixou os sinais da sua convivência e uma saudade sem tamanho.

Um comentário:

Anônimo disse...

Gostaria de saber quem foi (ou é) esse amigo que se foi. E a poesia é bela.