Pular para o conteúdo principal

O tempo

Tenho estado ausente nos últimos tempos. Culpa do tempo.
Isto me remete ao poema da minha amiga distante Nena. Não a vejo há tanto tempo.
Como há muito tempo não vejo Diogo, um amigo de muito tempo atrás que me mandou um recado e um número de telefone. Liguei, mas não o procurei. Sua voz estava tão fraquinha. Lembro dele quase todos os dias, mas tem faltado tempo para ir à cidade vizinha visitá-lo.Também gostaria de visitar minha amiga Doris, até prometi mas...


Refletindo sobre o Tempo

O tempo,
Todo o tempo nos persegue:
É o momento do atraso,
Da hora passada,
Da hora futura
Dos minutos contados

Do dia que não chega,
Da noite que não passa,
É o tempo de chuvas,
É o tempo de graças

E é o tempo de amar,
É a hora de procriar
É o minuto adiantado,
É o dia atrasado,

No tempo você está sempre sozinho.
O meu tempo é diferente do seu tempo,
Que é diferente do dele e também diferente do dela
Sempre é ele a nos espreitar e nos dizer o que somos e como estamos

Estou atrasada,
Estou adiantada,
Estou na frente do jogo de game,
Estou atrás de uma saída pra esta enrascada.

O tempo passa e o faz sem pedir passagem,
Não ouvimos nem um “com licença”,
Nem um deixe-me atravessar esta estrada.
Ele não chega
Ele te perpassa
Como uma flecha
Flamejante e encarnada.

Corre quando preciso de calma,
E pára quando preciso de pressa
O tempo do sono é do sonho ou do pesadelo?
Seja o que for... É culpa do tempo.

Nena
maio/2010

Comentários

Anônimo disse…
Graça Amiga,
Adorei ver meu poema publicado no seu Blog, ainda não possuo essas modernidades mas um dia chego lá, afinal não se faz sessenta todos os dias, vc já me deu o presente publicando o poema. Segunda, 27 iremos comemorar no AZUCAR que é uma casa de salsa e merengue aqui no Itaim e tenho certeza que se vc aqui estivesse iria adorar mas...o tempo sempre ele a nos atrasar e magoar.
Beijos mil e saudades muita..
Nena

Postagens mais visitadas deste blog

Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos.

Ao ouvir esses versos, lidos por um personagem de um filme já começado, apurei o olhar e ouvidos para a tv. O personagem segurava um livro cuja capa estampava o nome Yeats em letras bem grandes.
Pensei com meus botões: esse filme deve ser bom!
Não era tão bom assim, apesar das referências a vários clássicos da literatura. Perdeu-se nos clichês e nas cenas de ação exageradas. Mas valeu a pena por me levar a reler o poeta!


OS TECIDOS DO CÉU Se eu tivesse os tecidos bordados dos céus,
ornados de ouro e prata em luz,
panos azuis foscos breus
da noite, luz, e da meia-luz,
estenderia os tecidos sob teus pés.
Mas, pobre, tenho apenas sonhos;
são eles que estendo sob teus pés.
Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos. (William Butler Yeats) (trad. inédita de Bruno D’Abruzzo) AEDH WISHES FOR THE CLOTHS OF HEAVEN Had I the heavens’ embroidered cloths,
Enwrought with golden and silver light,
The blue and the dim and the dark cloths
Of night and light and the half light,
I would spread the cloths under …