Pular para o conteúdo principal

A Casa do Incesto

Arrumando alfarrábios, deparei-me com o texto abaixo. Ele foi extraído da obra de Anaïs Nin, A Casa do Incesto e compôs o mosaico literário interpretado por mim no projeto Café com Poesia, da Casa da Cultura Galeno d'Avelírio. 
Ela, observando o meu passo de sibarita, eu, atenta à sibilação da sua língua. Os nossos olhos prostitutos postos fundo uma na outra. Ela, era um ídolo em Bizâncio, um ídolo a dançar, de pernas afastadas; e eu escrevia com pólen e mel. O doce segredo manso de mulher que eu esculpi nos cérebros dos homens, com palavras de cobre; imagem tatuada nos olhos deles. (...) Eu povoava a sua memória com a história que eles queriam esquecer. SERÁ QUE ALGUÉM SABE QUEM EU SOU?
 O Café com Poesia acontecia todas as quartas-feiras, às 18h30, no Teatro do Porão. Poetas, atores ou leitores  elegiam um autor para interpretar durante trinta minutos. Depois acontecia um bate-papo acompanhado de chá e, lógico, um delicioso café. Houve uma época em que o projeto contou com o apoio de uma marca de café e de uma padaria.
Cadê os poetas de Cruz das Almas? Vamos retomar a poesia falada?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos.

Ao ouvir esses versos, lidos por um personagem de um filme já começado, apurei o olhar e ouvidos para a tv. O personagem segurava um livro cuja capa estampava o nome Yeats em letras bem grandes.
Pensei com meus botões: esse filme deve ser bom!
Não era tão bom assim, apesar das referências a vários clássicos da literatura. Perdeu-se nos clichês e nas cenas de ação exageradas. Mas valeu a pena por me levar a reler o poeta!


OS TECIDOS DO CÉU Se eu tivesse os tecidos bordados dos céus,
ornados de ouro e prata em luz,
panos azuis foscos breus
da noite, luz, e da meia-luz,
estenderia os tecidos sob teus pés.
Mas, pobre, tenho apenas sonhos;
são eles que estendo sob teus pés.
Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos. (William Butler Yeats) (trad. inédita de Bruno D’Abruzzo) AEDH WISHES FOR THE CLOTHS OF HEAVEN Had I the heavens’ embroidered cloths,
Enwrought with golden and silver light,
The blue and the dim and the dark cloths
Of night and light and the half light,
I would spread the cloths under …