sábado, 8 de março de 2014

março

amanheci versos após noite espessa 
sonhei estrelas, cometas e duro carvão 
só não escrevi na pedra nenhum poema de dor ou talvez covardia 
ancoro sonhos no presente fluido 
andarilha erma sigo 
pés experimentando o lodo 
fímbria 
pedregulho 
mato 
chão 
chã 


graça sena 
março, 08 2014

Nenhum comentário: