Pular para o conteúdo principal

Apresentação

Olá,
este será mais um espaço que utilizarei para exposição de idéias, gostos e desgostos. Será, principalmente, o lugar da poesia, da música, das expressões artísticas que caminham à margem dos meios de massa, do bom gosto, do que não tem rótulo, do que não tem nome.
Inauguro esta apresentação com uma poema publicado na revista Reflexos de Universos nº 60


o silêncio

das almas
repousa
sobre a cidade

cala-se

o metal dos sinos

cala-se

o riso

dos meninos


um suspiro
finado
move
as teclas
do piano
frente à mesa

servida de dor

graça sena


Para ler ao som da banda Sex Gang Children
http://www.myspace.com/sexgangchildren666

Comentários

Silvia disse…
Que satisfação receber notícias sua!
Logo de início uma bela foto.
Estarei em casa no mês de janeiro.
Que tal vim me visitar?
Beijo no seu coração iluminado.
Da amiga.
Silvia
anjobaldio disse…
Ôi Buenas, parabéns pelo blog. Esperei você na terça passada no ICBA para o filme de Fassbinder. Foi massa. Bjs.
Oi, Sena! mais um espaço para uma cena de Graça! Vamos curtir.
Bjs
Litapássaro
Sua rendição e nossa graça... Afinal, parafraseando D. Helder, a melhor das graças é estar com Graça!! Hehehehe
Valquiria disse…
Achei legal e só assim poderemos nos comunicar mais. Estarei sempre atenta a suas mensagens.
Bjs
Hermes Peixoto disse…
Das Graças
O espaço está muito propício para reflexões poéticas. Achei a carta do Sr Ene,(deve ser do sr. ENE) além de um achado, um arquivo de boas sugestões para leituras, como se estivesse sido escrita ontem. Rainha eu já sabia; mórbida, vou pagar pra ver. Estaremos em contato. Um beijo afetuoso de Agá.

Postagens mais visitadas deste blog

Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos.

Ao ouvir esses versos, lidos por um personagem de um filme já começado, apurei o olhar e ouvidos para a tv. O personagem segurava um livro cuja capa estampava o nome Yeats em letras bem grandes.
Pensei com meus botões: esse filme deve ser bom!
Não era tão bom assim, apesar das referências a vários clássicos da literatura. Perdeu-se nos clichês e nas cenas de ação exageradas. Mas valeu a pena por me levar a reler o poeta!


OS TECIDOS DO CÉU Se eu tivesse os tecidos bordados dos céus,
ornados de ouro e prata em luz,
panos azuis foscos breus
da noite, luz, e da meia-luz,
estenderia os tecidos sob teus pés.
Mas, pobre, tenho apenas sonhos;
são eles que estendo sob teus pés.
Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos. (William Butler Yeats) (trad. inédita de Bruno D’Abruzzo) AEDH WISHES FOR THE CLOTHS OF HEAVEN Had I the heavens’ embroidered cloths,
Enwrought with golden and silver light,
The blue and the dim and the dark cloths
Of night and light and the half light,
I would spread the cloths under …