Pular para o conteúdo principal

rock poesia

Recolhi-me ao silêncio por esses dias. Deliberadamente. Não queria falar de perdas e despedidas, nem da poesia calada que não mais solicitará: "Diga uma coisa bonita!"
O que o poeta esperava ouvir como resposta a essa pergunta?
A beleza tem tantas faces. Beleza triste, beleza calma, beleza estrepitante.
A beleza vigorosa da poesia que clama, que denuncia.
A forte e bela poesia de Patti Smith nesse dia mundial do rock.



There's no one
in the village
not a human
nor a stone
there's no one
in the village
children are gone
and a mother rocks
herself to sleep
let it come down
let her weep

the dead lay in strange shapes

Qana, de Patti Smith

Comentários

Anônimo disse…
Belo! Tem que ser uma Rainha!
Beijos.
Silvia
On The Rocks disse…
patti smith, a poesia em pessoa!

bj

Postagens mais visitadas deste blog

Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos.

Ao ouvir esses versos, lidos por um personagem de um filme já começado, apurei o olhar e ouvidos para a tv. O personagem segurava um livro cuja capa estampava o nome Yeats em letras bem grandes.
Pensei com meus botões: esse filme deve ser bom!
Não era tão bom assim, apesar das referências a vários clássicos da literatura. Perdeu-se nos clichês e nas cenas de ação exageradas. Mas valeu a pena por me levar a reler o poeta!


OS TECIDOS DO CÉU Se eu tivesse os tecidos bordados dos céus,
ornados de ouro e prata em luz,
panos azuis foscos breus
da noite, luz, e da meia-luz,
estenderia os tecidos sob teus pés.
Mas, pobre, tenho apenas sonhos;
são eles que estendo sob teus pés.
Pise devagar, você está pisando nos meus sonhos. (William Butler Yeats) (trad. inédita de Bruno D’Abruzzo) AEDH WISHES FOR THE CLOTHS OF HEAVEN Had I the heavens’ embroidered cloths,
Enwrought with golden and silver light,
The blue and the dim and the dark cloths
Of night and light and the half light,
I would spread the cloths under …